2019-01-25

É sempre assim: antes de morrerem, as pessoas estão vivas

«A Imortal da Graça», de Filipe Homem Fonseca, chega às livrarias a 1 de fevereiro

Partilhar:
É no coração de Lisboa, entre os ruídos dos martelos pneumáticos e de uma cidade dividida entre o fascínio da novidade e a angústia da tradição, que nasce o mais recente romance de Filipe Homem Fonseca. Ambientado numa das zonas mais populares da cidade, A «Imortal da Graça» retrata um grupo de moradoras (e um morador), na sua luta pelo poder – neste caso, pela sobrevivência – dentro de um bairro sitiado pela especulação imobiliária, de onde é literalmente impossível sair por causa das eternas obras de renovação. Com laivos de farsa e comédia, A Imortal da Graça evoca também a situação presente dos bairros históricos alfacinhas, de onde residentes mais velhos e mais pobres são sistematicamente expulsos, em resposta à pressão crescente dos interesses de grupos financeiros e imobiliários. Com a mestria e o sentido de humor de quem escreve uma crónica de bairro, Filipe Homem Fonseca traz para o seu romance situações-limite cheias de imaginação – sob a forma de histórias de amor, de perda, de ternura, de disputa e de delírio – e personagens cheias de encanto e complexidade, como o é a Lisboa dos nossos dias.

Este site utiliza cookies para lhe proporcionar uma melhor experiência de navegação. Ao navegar estará a consentir a sua utilização. Saiba mais sobre a nossa política de privacidade. Tomei conhecimento e não desejo visualizar esta informação novamente.

OK