Uma Mentira Mil Vezes Repetida

Uma Mentira Mil Vezes Repetida

Prémio Casino da Póvoa 2014
Formatos disponíveis
10,00€
-10%
24H
PORTES
GRÁTIS
EM
STOCK
COMPRAR
-10%
PORTES
GRÁTIS
EM
STOCK
10,00€
COMPRAR
I10% DE DESCONTO EM CARTÃO
IEm stock - Envio 24H
IPORTES GRÁTIS

SINOPSE

Para escapar ao anonimato de uma vida comum, à solidão da escrita e ao esquecimento dos futuros leitores, o narrador de Uma Mentira Mil Vezes Repetida inventou uma obra monumental, um autor - um judeu húngaro com uma vida aventurosa - e uma miríade de personagens e de histórias que narra entusiasticamente a quem ao pé dele se senta nos transportes públicos. Assim vai desfiando as andanças literárias de Marcos Sacatepequez e o seu singular destino, a desgraça do Homem-Zebra de Polvorosa, o caos postal de Granada, a maldição do marinheiro Albrecht e as memórias do velho Afonso Cão, amigo de Cassiano Consciência, advogado e proprietário do único exemplar conhecido de Cidade Conquistada, a obra-prima de Oscar Schidinski. Enquanto o autocarro se aproxima de Cedofeita, ou pára na rua do Bolhão, quem o escuta viaja do Belize a Budapeste, passando pelas Honduras, por estâncias alpinas, por Toulon ou por Lisboa. Mas se o nosso narrador não encontrou a glória - senão por breves momentos e na mente alheada de quem cumpre uma rotina - talvez tenha encontrado o amor. Ou será ele também inventado?
Ver Mais

CRÍTICAS DE IMPRENSA

«Em Uma Mentira Mil Vezes Repetida, nono romance de MJM (e talvez o seu melhor), o que está em causa é um embuste, uma falsificação intelectual. Reformado por invalidez aos 36 anos, devido a uma «agressiva doença de pele provocada pelo implacável stresse do funcionalismo público», o narrador do livro anda às voltas pela cidade do Porto, viajando nos transportes públicos com um calhamaço de 1200 páginas. A qualquer passageiro que demonstre um mínimo de curiosidade, ele explica que Cidade Conquistada é o único e extraordinário romance de Oscar Schidinski, judeu húngaro que passou por Lisboa em fuga da ameaça nazi e dos «seus próprios fantasmas», um autor esquecido mas genial, entretanto transformado numa “das mais obscuras lendas literárias do século XX”. […] O principal mérito de MJM está na forma como consegue manter a sensação de claustrofobia narrativa, sem deixar que o leitor se perca no caos de repetições, incongruências e «solavancos lógicos». Muito bem escrito, o livro oferece-nos pelo menos dois pastiches brilhantes: um de García Márquez (a cidade de Polvorosa, uma espécie de Macondo onde se produz cacau em vez de bananas); outro de Thomas Pynchon (a barafunda postal de Granada). »
José Mário Silva, Expresso, Atual

«Uma Mentira Mil Vezes Repetida recupera essa tradição romanesca, na forma muito pós-moderna da montagem e da colagem labiríntica, através do relato de um homem prematuramente incapacitado para o trabalho que, apesar dessa “deficiência”, decide ser célebre.»
Helena Vasconcelos, Público, Ípsilon

DETALHES DO PRODUTO

Uma Mentira Mil Vezes Repetida
ISBN:9789725649725
Edição/reimpressão:09-2011
Editor:Quetzal Editores
Código:000068000287
Idioma:Português
Dimensões:150 x 233 x 16 mm
Encadernação:Capa mole
Páginas:208
Tipo de Produto:Livro
Manuel Jorge Marmelo nasceu em 1971, no Porto. Foi jornalista de 1989 a 2012. Em 1994 ganhou o prémio de jornalismo da Lufthansa e em 1996 a menção honrosa dos Prémios Gazeta de Jornalismo do Clube de Jornalismo/ Press Club.

Estreou-se na literatura em 1996 com o livro O Homem Que Julgou Morrer de Amor. Os mais de vinte títulos que tem publicados incluem romances, crónicas, livros infantis e contos, tendo conquistado, em 2005, o Grande Prémio do Conto Camilo Castelo Branco com O Silêncio de Um Homem Só. É autor de, entre outros, O Amor É para Os Parvos, Aonde o Vento Me Levar, As Mulheres Deviam Vir com Livro de Instruções, As Sereias do Mindelo, Uma Mentira Mil Vezes Repetida (Prémio Correntes d’Escritas), Somos Todos Um Bocado Ciganos e O Tempo Morto É Um Bom Lugar – todos publicados pela Quetzal.

Desde julho de 2001, o seu nome consta do Dicionário de Personalidades Portuenses do Século XX, da Porto Editora, sendo o mais jovem dos nomes biografados.
Ver Mais

Este site utiliza cookies para lhe proporcionar uma melhor experiência de navegação. Ao navegar estará a consentir a sua utilização. Saiba mais sobre a nossa política de privacidade. Tomei conhecimento e não desejo visualizar esta informação novamente.

OK