O Chamador

Formatos disponíveis
16,60€ I
13,28€ I
-20%
PORTES
GRÁTIS
EM
STOCK
COMPRAR
-20%
PORTES
GRÁTIS
EM
STOCK
16,60€ I
13,28€ I
COMPRAR
I 20% DE DESCONTO IMEDIATO
I EM STOCK
I PORTES GRÁTIS

SINOPSE

Um velho encenador evoca as grandes personagens - quase todas trágicas - que o marcaram dentro e fora de cena, sobre as tábuas do teatro ou no vasto palco da vida.
À medida que desfia enredos e fisionomias, e recupera cenários reais ou efabulados, mantém um diálogo (às vezes agreste) com a sua própria memória - interlocutora fundamental para a recuperação desse passado, mas nem sempre fiável.
Na estreia ficcional de Álvaro Laborinho Lúcio, a itinerância intelectual, a mobilidade geográfica e social, a diversidade de tipos humanos retratados e a total disponibilidade para melhor os conhecer e compreender derivam certamente do riquíssimo percurso pessoal e profissional do autor: foi juiz, procurador da República, procurador delegado do PGR, inspector do Ministério Público, ministro da Justiça, deputado à Assembleia da República, além de figura tutelar de organizações humanitárias e de cidadania.
Sempre ligado à Justiça, operando num sector da vida pública em que a garantia dos direitos de uns passa pela supressão dos direitos de outros, Laborinho Lúcio presta aqui homenagem aos proscritos e esquecidos da sociedade, e restitui-lhes a estatura humana que lhe é devida.
Ver Mais

CRÍTICAS DE IMPRENSA

«A defesa: regras sagradas o romance não tem. Avalie-se a coerência da fuga e não a obediência ao cânone. Não será a própria história a exigir um romance diferente? O encenador olha para trás e o que vê? Gente com muita vida, demasiado esquecida. Os da sua rua, da sua terra. E se estas personagens sozinhas não dão grandes romances, enchem seguramente bons capítulos. Como um respigador, Laborinho Lúcio resgata figuras ao seu passado, recriando-as na ficção, num interessante diálogo com a memória.»
Time Out

«O Chamador (Quetzal) é um híbrido onde convivem o teatro, o romance, as memórias pessoais, as deambulações pelo cinema e a literatura numa fantasmagoria escrita em prosa poética a que que podíamos chamar um "teatro de alma", pedindo a expressão a M.Teixeira-Gomes.»
Diário de Notícias

«O livro não é «as memórias» que muitos lhe pediam, mas está habitado por diversas pessoas reais, importantes na vida de Laborinho Lúcio, aqui insufladas com o poder da imaginação.»
Visão

DETALHES DO PRODUTO

O Chamador
ISBN: 9789897221576
Edição/reimpressão: 04-2014
Editor: Quetzal Editores
Código: 000068000452
Idioma: Português
Dimensões: 150 x 234 x 17 mm
Encadernação: Capa mole
Páginas: 216
Tipo de Produto: Livro
Classificação Temática: Livros > Livros em Português > Literatura > Romance
Álvaro Laborinho Lúcio, mestre em Ciências Jurídico-Civilísticas pela Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra e magistrado de carreira, é juiz-conselheiro jubilado do Supremo Tribunal de Justiça. De janeiro de 1990 a abril de 1996, exerceu, sucessivamente, as funções de secretário de Estado da Administração Judiciária, ministro da Justiça e deputado à Assembleia da República. Entre março de 2003 e março de 2006, ocupou o cargo de ministro da República para a Região Autónoma dos Açores. Com intensa atividade cívica, é membro dirigente de várias associações, entre as quais se destacam a APAV e a CRESCER-SER, de que é sócio fundador. Com artigos publicados e inúmeras palestras proferidas sobre temas ligados à justiça, ao direito, à educação, aos direitos humanos e à cidadania em geral, é autor de livros como A Justiça e os Justos, Palácio da Justiça, Educação, Arte e Cidadania, O Julgamento. Uma Narrativa Crítica da Justiça – e, em coautoria, Levante-se o Véu. Agraciado pelo rei de Espanha, com a Grã-Cruz da Ordem de S. Raimundo de Peñaforte, e pelo presidente da República Portuguesa, com a Grã-Cruz da Ordem de Cristo, é membro da Academia Internacional da Cultura Portuguesa e doutor honoris causa pela Universidade do Minho. Em 2014 publicou O Chamador, seu primeiro livro de ficção, em 2016 o romance O Homem Que Escrevia Azulejos (finalista do Prémio Fernando Namora 2017), e em 2019 O Beco da Liberdade, todos na Quetzal.
Ver Mais

Este site utiliza cookies para lhe proporcionar uma melhor experiência de navegação. Ao navegar estará a consentir a sua utilização. Saiba mais sobre a nossa política de privacidade. Tomei conhecimento e não desejo visualizar esta informação novamente.

OK