Estocolmo

Estocolmo

avaliação dos leitores (4 comentários)
(4 comentários)
Um retrato duro de sujeição e de prazer - e de todas as ambiguidades que comportam as relações amorosas.
Formatos disponíveis
15,50€I
-10%
24H
PORTES
GRÁTIS
EM
STOCK
COMPRAR
-10%
PORTES
GRÁTIS
EM
STOCK
15,50€I
COMPRAR
I10% DE DESCONTO EM CARTÃO
IEm stock - Envio 24H
IPORTES GRÁTIS

SINOPSE

Quando Vicente responde ao anúncio de um quarto para alugar, descobre que a senhoria é Diana Albuquerque, a célebre pivô do telejornal das oito. A estupefação inicial do estudante - assim que ela lhe abre a porta - rapidamente se transforma numa forte atração mútua. Diana tem o dobro da idade de Vicente, mas é bela, sensual e respira aquela serena autoridade que conquista o espectador mais renitente. Vicente muda-se para casa de Diana, ocupando o quarto no sótão; e Diana ocupa-lhe a cama. Mas não é apenas a mulher complexa e carente que depressa mostra ser; fazendo jus ao nome, Diana é também uma predadora.
E, uma manhã, Vicente acorda para a estranha realidade de estar trancado no seu novo quarto. É vítima de sequestro, mas está apaixonado pela sua sequestradora. Finalmente, a entrada em cena da mãe de Diana - tão bela quanto a filha - vai mudar tudo.
Ver Mais

COMENTÁRIOS DOS LEITORES

Síndrome de Estocolmo invertido
Flávio Alves - Livraria Bertrand Alma Shopping |2019-05-24
O título deste romance faz jus à sua história. Quando o protagonista se apaixona pela sua senhoria, com o dobro da sua idade, muda-se para a sua casa e esta passa a passar tempo na sua cama. Mas um dia o protagonista encontra-se preso, trancado no seu quarto. É sequestrado pela mulher que ama. Parece o síndrome de Estocolmo, mas ao contrário; primeiro apaixona-se e depois é sequestrado. Um livro interessante e que merece ser lido, para sabermos como se desenvolve o final.
Amor impossível
Carlos Rosa. Gerente, Bertrand Cascaishopping |2019-05-15
Um romance de que não estava à espera de Sérgio Godinho, principalmente devido ao tema abordado. Habilmente escrito, ligeiro e generoso. Senti algumas dificuldades por parte do autor nalgumas passagens, mas o essencial está lá. Personagens bens descritas, demonstrando bem o seu amor para com a humanidade, às vezes tão contraditória nas suas manifestações. Um final redentor. Tão passivo que realmente seria o único que aceitaríamos como razoável para esta história incrível.

DETALHES DO PRODUTO

Estocolmo
ISBN:9789897224393
Edição/reimpressão:02-2019
Editor:Quetzal Editores
Código:000068000759
Coleção:Língua Comum
Idioma:Português
Dimensões:147 x 233 x 13 mm
Encadernação:Capa mole
Páginas:160
Tipo de Produto:Livro
Sérgio Godinho nasceu no Porto e aí viveu até aos vinte anos, altura em que saiu de Portugal. Estudou Psicologia em Genève durante dois anos, antes de tomar a decisão «para a vida» de se dedicar às artes. Foi ator de teatro e começou a exercitar a escrita de canções nos finais dos anos 1960. É de 1971 o seu primeiro álbum, Os Sobreviventes, seguido de mais trinta até aos dias de hoje. Sérgio Godinho é um dos músicos portugueses mais influentes dos últimos quarenta e cinco anos. Sobre si próprio disse: «Não vivo se não criar, não crio se não viver. Essa balança incerta sempre foi a pedra de toque da minha vida.» O seu percurso espelha, precisamente, essa poderosa interação entre a vida e a arte. Voz polifónica, Sérgio Godinho levou frequentemente a sua escrita a outras paragens. Guiões de cinema (Kilas, o Mau da Fita), peças de teatro (Eu, Tu, Ele, Nós, Vós, Eles!), séries de televisão, histórias infantojuvenis (O Pequeno Livro dos Medos), poesia (O Sangue por Um Fio), crónicas (Caríssimas Quarenta Canções), entre vários exemplos. Estreou-se na ficção com Vidadupla, um conjunto de contos publicado em 2014, a que se seguiu o seu primeiro romance, Coração Mais Que Perfeito, e agora Estocolmo.
Ver Mais

Este site utiliza cookies para lhe proporcionar uma melhor experiência de navegação. Ao navegar estará a consentir a sua utilização. Saiba mais sobre a nossa política de privacidade. Tomei conhecimento e não desejo visualizar esta informação novamente.

OK