Biblioteca Pessoal

«Desejo que esta biblioteca seja tão variada quanto a curiosidade que a mesma induziu em mim.»
ISBN: 9789897228650
Edição/reimpressão: 01-2023
Editor: Quetzal Editores
Código: 000068001202
ver detalhes do produto
15,50€ I
13,95€ I
-10%
PORTES
GRÁTIS
COMPRAR
-10%
PORTES
GRÁTIS
15,50€ I
13,95€ I
COMPRAR
I 10% DE DESCONTO IMEDIATO
I Envio até 5 dias úteis
I PORTES GRÁTIS

SINOPSE

Jorge Luis Borges tornou-se o emblema do bom leitor, do verdadeiro amante e erudito da literatura. Borges imaginou o paraíso como uma biblioteca e foi bibliotecário por muitos anos, vivendo essa profissão como a de um guardião do tesouro das letras. Em 1985, foi-lhe pedida a criação de uma «biblioteca pessoal», que contaria com cem grandes obras. Borges morreu em 1986, antes que pudesse concluir esse projeto, mas deixou uma lista de livros que refletem as suas preocupações e gostos literários, bem como os prólogos dos primeiros sessenta e quatro títulos da série: «Desejo que esta biblioteca seja tão variada quanto a curiosidade que a mesma induziu em mim.» É esta escolha pessoalíssima de Borges que aqui se apresenta.
Ver Mais

CRÍTICAS DE IMPRENSA

«O universalismo de Borges é um modo de estar em contacto com os grandes ventos que sopram do coração das coisas.»
George Steiner

«Quando Borges morreu, tudo parou.»
Roberto Bolaño

DETALHES DO PRODUTO

Biblioteca Pessoal
ISBN: 9789897228650
Edição/reimpressão: 01-2023
Editor: Quetzal Editores
Código: 000068001202
Idioma: Português
Dimensões: 127 x 198 x 15 mm
Encadernação: Capa mole
Páginas: 160
Tipo de Produto: Livro
Classificação Temática: Livros > Livros em Português > Literatura > Contos
Jorge Luis Borges nasceu em Buenos Aires, em 1899. Cresceu no bairro de Palermo, «num jardim, por detrás de uma grade com lanças, e numa biblioteca de ilimitados livros ingleses».
Em 1914 viajou com a família pela Europa, acabando por se instalar em Bruxelas, e posteriormente em Maiorca, Sevilha e Madrid. Regressado a Buenos Aires, em 1921, Borges começou a participar ativamente na vida cultural argentina.
Em 1923, publicou o seu primeiro livro — Fervor de Buenos Aires — mas o reconhecimento internacional só chegou em 1961, com o Prémio Formentor, seguido por inúmeros outros. A par da poesia, Borges escreveu ficção (é sem dúvida um dos nomes maiores do conto ou da narrativa breve), crítica e ensaio, géneros que praticou com grande originalidade e lucidez.
A sua obra é como o labirinto de uma enorme biblioteca, uma construção fantástica e metafísica que cruza todos os saberes e os grandes temas universais: o tempo, «eu e o outro», Deus, o infinito, o sonho, as literaturas perdidas, a eternidade — e os autores que deixam a sua marca.
Foi professor de literatura e dirigiu a Biblioteca Nacional de Buenos Aires entre 1955 e 1973.
Morreu em Genebra, em junho de 1986.
Ver Mais