Anatomia da Errância

Textos escolhidos 1969-1989

Na vida de cada um há sempre o sonho de partir sem destino
ISBN: 9789897228124
Edição/reimpressão: 04-2022
Editor: Quetzal Editores
Código: 000068001131
ver detalhes do produto
14,40€ I
-10%
PORTES
GRÁTIS
EM
STOCK
COMPRAR
-10%
PORTES
GRÁTIS
EM
STOCK
14,40€ I
COMPRAR
I 10% DE DESCONTO EM CARTÃO
I EM STOCK
I PORTES GRÁTIS

SINOPSE

Bruce Chatwin mudou a forma de escrever sobre «os lugares onde não estamos» — mostrando o caminho, incitando-nos a partir e a descobrir o mapa da nossa vida.

Antropólogo e arqueólogo, historiador da arte, ficcionista, crítico literário, jornalista, repórter à solta e escritor de viagens, Chatwin sabe que o nomadismo é uma condição do nosso destino. A história de todas as civilizações oscila entre o desejo de ambas as coisas: mudar de lugar ou manter-se em casa (um sítio «onde pendurar o chapéu»), mas o que o surpreende é perceber que a busca de conforto — o sentido da vida — tanto pode encontrar-se numa coisa como noutra. Estes textos (ensaios, artigos, pequenos contos, relatos de viagem), reunidos e publicados depois da sua morte, são tentativas de compreender por que razão o nomadismo e a errância são tão essenciais para a nossa felicidade e para entendermos o mundo. Quem nunca sentiu a tentação de, como Chatwin, deixar um recado a dizer «fui para a Patagónia» — e partir?
Ver Mais

CRÍTICAS DE IMPRENSA

«O que o atraía era o incomum, o estranho e o maravilhoso. Reconhecia uma boa história quando ouvia uma.»
The Guardian

DETALHES DO PRODUTO

Anatomia da Errância
ISBN: 9789897228124
Edição/reimpressão: 04-2022
Editor: Quetzal Editores
Código: 000068001131
Dimensões: 128 x 198 x 16 mm
Encadernação: Capa mole
Páginas: 240
Tipo de Produto: Livro
Classificação Temática: Livros > Livros em Português > Literatura > Literatura de Viagem
Bruce Chatwin (1940-1989) é um dos mais aclamados escritores de literatura de viagens de sempre. Foi jornalista do Sunday Times Magazine durante vários anos, e a carta de demissão que mandou ao seu superior ficou célebre – nela lia-se simplesmente: «Fui para a Patagónia.» O seu livro mais celebre é, justamente, Na Patagónia, um clássico da literatura contemporânea, relato de viagem e retrato da solidão dos grandes territórios do sul do mundo. A sua carreira literária foi curta (mais longa terá sido a de viajante), mas de enorme brilho. Os seus livros, entre os quais O Vice-Rei de Ajudá, O Que Faço Eu Aqui?, Utz, Anatomia da Errância ou Regresso à Patagónia (com Paul Theroux), foram publicados pela Quetzal.
Ver Mais

Este site utiliza cookies para lhe proporcionar uma melhor experiência de navegação. Ao navegar estará a consentir a sua utilização. Saiba mais sobre a nossa política de privacidade. Tomei conhecimento e não desejo visualizar esta informação novamente.

OK