Melancolia em Tempos de Perturbação

Formatos disponíveis
16,60€ I
14,94€ I
-10%
PORTES
GRÁTIS
EM
STOCK
COMPRAR
-10%
PORTES
GRÁTIS
EM
STOCK
16,60€ I
14,94€ I
COMPRAR
I 10% DE DESCONTO IMEDIATO
I EM STOCK
I PORTES GRÁTIS

SINOPSE

«A melancolia não só reflete a dualidade do nosso ânimo, como também a estimula. Poderia dizer-se, portanto, que a melancolia "dá alma" à pessoa, ou a inspira.»

Sendo um dos sentimentos mais complexos e ambivalentes, na Idade Média a melancolia era uma «doença diabólica», no Renascimento estava ligada à reflexão e à sabedoria, e no Romantismo era uma qualidade que encorajava a criatividade e a arte. O problema surgiu quando, no início do século xx, se substituiu a palavra «melancolia» por «depressão», como se fossem sinónimos, e se enveredou pelo caminho da medicalização dos «estados melancólicos».

Neste ensaio, a filósofa Joke J. Hermsen propõe uma nova abordagem da melancolia, assumindo-a como um pilar da civilização e uma forma de nos relacionarmos com o mundo e a natureza. Mostra o ser humano como uma entidade capaz de transformar a perda e a transitoriedade em criatividade e esperança - e, com a ajuda de pensadores como Hannah Arendt, Ernst Bloch e Lou Andreas-Salomé, investiga as circunstâncias em que o ser humano usa e ultrapassa a melancolia para estabelecer uma nova relação com o mundo e consigo mesmo. Ou seja, a melancolia é um dos nossos estados naturais - e um dos mais criativos.
Ver Mais

DETALHES DO PRODUTO

Melancolia em Tempos de Perturbação
ISBN: 9789897227653
Edição/reimpressão: 03-2022
Editor: Quetzal Editores
Código: 000068001104
Idioma: Português
Dimensões: 137 x 209 x 18 mm
Encadernação: Capa mole
Páginas: 200
Tipo de Produto: Livro
Classificação Temática: Livros > Livros em Português > Ciências Sociais e Humanas > Filosofia
Joke J. Hermsen (1961), neerlandesa, estudou arte e filosofia em Paris e Utreque. Publicou vários livros de ficção, incluindo um romance histórico sobre o «grupo de Bloomsbury» (a que pertenciam Virginia Woolf, T.S. Eliot ou E.M. Forster, nomeadamente) ou uma sátira à vida nos meios filosóficos e académicos. Os seus ensaios são fundamentalmente sobre filosofia contemporânea (Sarah Kofman, Gilles Deleuze, Simone de Beauvoir, Henri Bergson, Maurice Blanchot, Lou Andreas-Salomé ou Hannah Arendt, entre outros), o nomadismo e a crítica ao «tempo tecnocrático». Joke J. Hermsen vive e trabalha em Amesterdão.
Ver Mais

Este site utiliza cookies para lhe proporcionar uma melhor experiência de navegação. Ao navegar estará a consentir a sua utilização. Saiba mais sobre a nossa política de privacidade. Tomei conhecimento e não desejo visualizar esta informação novamente.

OK