A Saga/Fuga de JB

Formatos disponíveis
24,90€ I
22,41€ I
-10%
PORTES
GRÁTIS
EM
STOCK
COMPRAR
-10%
PORTES
GRÁTIS
EM
STOCK
24,90€ I
22,41€ I
COMPRAR
I 10% DE DESCONTO IMEDIATO
I EM STOCK
I PORTES GRÁTIS

SINOPSE

A Saga/Fuga de J.B. é o mais importante romance espanhol do século XX. Um romance clássico e moderno, tocado pela loucura e iluminado pelo génio.

Fantasia, ironia, sentido da paródia e humor são os instrumentos de Gonzalo Torrente Ballester para construir este romance complexo e divertido cuja ação decorre algures na Galiza, numa cidade inventada, e cuja tranquilidade é interrompida quando desaparece misteriosamente a relíquia do Corpo Santo. Será José Bastida (J.B.) a contar a história desta cidade milenar - desde antes do aparecimento da relíquia até os dias de hoje. Nela, não existe passado nem futuro, apenas presente: gente de há mil anos cruza-se com figuras da atualidade, os temas parecem esvoaçar, as personagens sofrem de incontinência verbal (inventando por vezes uma língua própria) e é impossível silenciá-las, misturando literatura e história, sexo e religião, visível e invisível.

Mas a melhor leitura do romance é a do anónimo responsável da censura franquista que, em 1972, permitiu a sua publicação: «Totalmente impossível de entender, a ação decorre numa cidade imaginária, Castroforte del Baralla, onde há lampreias, um Corpo Santo que apareceu na água e uma série de malucos que dizem muitos disparates. De vez em quando, alguma coisa sexual, quase sempre tão disparatada como o resto, e alguns palavrões - para seguir a moda literária atual. Este livro não merece proibição nem aprovação. A proibição não encontraria justificação e a aprovação seria demasiada honra para tanto cretinismo e insensatez. Propõe-se que se lhe aplique o silêncio administrativo.» Não há maior elogio.
Ver Mais

CRÍTICAS DE IMPRENSA

«À direita de Cervantes, autor do Quixote, havia até hoje um lugar vago. Acaba de ser ocupado por Ballester, que escreveu A Saga/Fuga de J.B.»
José Saramago

«Totalmente impossível de entender […]. Este livro não merece proibição nem aprovação. Propõe-se que se aplique o silêncio administrativo.»
Despacho da censura espanhola, 1972
«O herdeiro contemporâneo de Cervantes.»
Manuel Rivas, El País

DETALHES DO PRODUTO

A Saga/Fuga de JB
ISBN: 9789897228667
Edição/reimpressão: 05-2023
Editor: Quetzal Editores
Código: 000068001190
Idioma: Português
Dimensões: 149 x 235 x 40 mm
Encadernação: Capa mole
Páginas: 696
Tipo de Produto: Livro
Classificação Temática: Livros > Livros em Português > Literatura > Romance
Escritor espanhol, Gonzalo Torrente Ballester nasceu a 13 de junho de 1910, numa pequena aldeia da Galiza (Los Corrales de Serantes, em El Ferrol), mas sempre sentiu que tinha nascido na Idade Média de tal modo foi a sua imaginação influenciada pelas lendas rurais.
Licenciou-se em Filosofia e Letras na Universidade de Santiago de Compostela e, posteriormente, em Direito e Ciências. Deu aulas em institutos de diversas cidades espanholas, sempre contagiando os alunos com o seu amor pela literatura, nomeadamente por Cervantes e pela figura de D. Quixote. Casou duas vezes. Teve onze filhos, escreveu mais de vinte livros e tinha uma biblioteca com cerca de 12 000 volumes.
Em 1977 ingressou na Real Academia mas foi quando a sua trilogia Los gozos y las sombras (Os Prazeres e as Sombras, publicada entre 1957 e 1962) foi transformada numa série de televisão que ele se tornou reconhecido em toda a Espanha. Em 1991, também Crónica del rey pasmado (Crónica do Rei Pasmado, 1989) viria a ser adaptado ao cinema para o filme realizado por Imanol Uribe.
Numa entrevista cerca de um ano antes de morrer afirmou: "Tive a sorte de ser dos poucos que conseguiram ver as duas faces da lua". Com efeito, a sua obra, irónica e original, sempre soube combinar, por um lado, a luz e a sombra, e, por outro, a racionalidade e a imaginação que o fazia encarar a realidade e o quotidiano como muito mais fantásticos que qualquer ficção.
Veio a falecer no dia 27 de janeiro de 1999.
Prémios Literários:
Fundação March 1959
Cidade de Barcelona 1973
Príncipe das Astúrias das Letras 1982
Cervantes 1985
Planeta 1988
Azorín 1994
Castilla Y León das Letras 1996
Ver Mais