2021-03-17

O regresso de um clássico. E dos filhos dos homens que nunca foram meninos.

Passam, em 2021, oitenta anos sobre a primeira edição de Esteiros, romance de Joaquim Soeiro Pereira Gomes que, à época, denunciava um Portugal sem esperança e que, durante duas décadas, foi livro de leitura permanente nas escolas secundárias portuguesas. A Quetzal marca o reencontro com «os filhos dos homens que nunca foram meninos», personagens de um livro inesquecível que ocupa a memória de muitos portugueses. De novo nas livrarias, com edição de capa dura e cuidados gráficos acrescidos, a 25 de março.

Partilhar:

Gaitinhas, Guedelhas, Gineto, Maquineta e Saguí são os heróis de um romance que, em 1941, trouxe à luz do dia a denúncia do trabalho infantil, da dureza da condição operária, da pobreza e da injustiça social. «Este mundo, o de Esteiros, foi demasiado amargo para os seus contemporâneos. É importante que o revisitemos na companhia do livro», escreve Francisco José Viegas na nota introdutória que revisita a maioridade da obra de Soeiro Pereira Gomes.

Graças à sua ingenuidade, bravura e simplicidade, Esteiros, referência emblemática do movimento neorrealista português, é um documento marcante da história portuguesa do século XX. Ao contrário de muitos outros romances de natureza programática, e graças à qualidade da escrita de Soeiro Pereira Gomes e a um conhecimento detalhado daquele mundo real, Esteiros ultrapassa o quadro ideológico a que estaria destinado numa leitura estritamente política – e deve agora ser relido para que não esqueçamos o sofrimento desses anos, nem um autor que não pode ser retirado das nossas livrarias, agora finalmente reabertas.

Este site utiliza cookies para lhe proporcionar uma melhor experiência de navegação. Ao navegar estará a consentir a sua utilização. Saiba mais sobre a nossa política de privacidade. Tomei conhecimento e não desejo visualizar esta informação novamente.

OK