2022-04-20

Fui para a Patagónia.

Quem nunca sentiu a tentação de, como Bruce Chatwin, deixar um recado a dizer «fui para a Patagónia» — e partir? O novo título da Terra Incognita, coleção de literatura de viagens da Quetzal, chega esta semana às livrarias: Anatomia da Errância, de Chatwin, traduzido por Helena Cardoso. Disponível a partir de quinta-feira.

Partilhar:

O que leva as pessoas a deslocarem-se e a não ficarem quietas? Reunidos e publicados oitos anos depois da morte de Bruce Chatwin, os textos que compõem Anatomia da Errância são contos, apontamentos de viagem, ensaios, artigos e críticas literárias dispersas que chegam a distar até vinte anos entre si. Versam sobre o permanente fascínio do autor pelo nomadismo e pela errância, essenciais para a nossa felicidade e para entendermos o mundo.

«Todos temos adrenalina. Não podemos eliminá-la do nosso sistema e rezar para que se evapore. Privados do perigo, inventamos inimigos artificiais, doenças psicossomáticas, cobradores de impostos e, pior do que tudo, somos nós próprios, se ficarmos sós no quarto. A adrenalina é o nosso subsídio de viagem», escreve Chatwin, naquela que é uma leitura imprescindível, sobretudo numa altura em que volta a ser possível viajar e sonhar com viagens.

Antropólogo e arqueólogo, historiador da arte, ficcionista, crítico literário, jornalista, repórter à solta e escritor de literatura de viagens, Chatwin sabe que o nomadismo é uma condição do nosso destino. A história de todas as civilizações oscila entre o desejo de ambas as coisas: mudar de lugar ou manter-se em casa (um sítio «onde pendurar o chapéu»), mas o que o surpre-ende é perceber que a busca de conforto — o sentido da vida —pode encontrar-se tanto numa coisa como noutra.

Este site utiliza cookies para lhe proporcionar uma melhor experiência de navegação. Ao navegar estará a consentir a sua utilização. Saiba mais sobre a nossa política de privacidade. Tomei conhecimento e não desejo visualizar esta informação novamente.

OK