2022-05-03

A improvável amizade entre Darwin e um negro de Lisboa na vila da Praia.

Ilha de Santiago, Cabo Verde. Século XIX. A ação de Siríaco e Mister Charles, o mais recente romance de Joaquim Arena, centra-se na improvável amizade que une o jovem Charles Darwin a Siríaco, um ex-escravo negro que sofre de vitiligo. Um negro e um branco, numa história que une Portugal, Brasil e Cabo Verde, fundindo realidade e ficção numa narrativa agradável e acessível.

Partilhar:

Siríaco existiu mesmo – era o «rapaz-tigrado», educado na corte e integrado na chamada «corte exótica» da rainha D. Maria I, ao lado de um séquito de doze anões africanos e índios. Charles Darwin também esteve durante 16 dias na ilha de Santiago de Cabo Verde, onde iniciou as suas primeiras investigações para A Origem das Espécies.

Em Siríaco e Mister Charles, o rapaz-tigrado acompanha a família real na fuga para o Brasil, em novembro de 1807. Durante a paragem na vila da Praia, ilha de Santiago, apaixona-se — e decide abandonar tudo e ficar em Cabo Verde. Em 1832, torna-se intérprete e ajudante do jovem Darwin nas suas explorações pela ilha e entre ambos cresce uma relação de confiança e respeito mútuos.

Sobrevoando os territórios da História e da imaginação, este é um romance sobre cumplicidade, raça, racismo, império e memória.

Chega às livrarias a 5 de maio.

Este site utiliza cookies para lhe proporcionar uma melhor experiência de navegação. Ao navegar estará a consentir a sua utilização. Saiba mais sobre a nossa política de privacidade. Tomei conhecimento e não desejo visualizar esta informação novamente.

OK