2022-01-06

A derradeira coletânea de contos de Borges.

«O número de páginas deste livro é exatamente infinito. Nenhuma é a primeira; nenhuma, a última.» Assim se descreve o inconcebível livro de areia que dá nome à derradeira coletânea de contos de Jorge Luis Borges — publicada em 1975, há muito esgotada, é agora reeditada pela Quetzal, na coleção que utiliza os elementos do tríptico das Tentações de Santo Antão, de Hieronymus Bosch.

Partilhar:

«Disse-me que o seu livro se chamava Livro de Areia, porque nem o livro nem a areia têm princípio nem fim», lê-se no último dos 13 contos que compõem este volume imprevisível, enigmático, labiríntico e, ao mesmo tempo, monstruoso: um livro de areia, que tomará o tempo e a memória do leitor para sempre. Um volume de folhas incalculáveis onde, como é hábito de Jorge Luis Borges, não faltam traços autobiográficos.

A primeira das histórias, «O Outro», retoma o tema do duplo; depois, há narrativas sobre literaturas que conhecem apenas uma palavra, sobre amores fugazes ou a natureza e a ordenação do cosmos. Jorge Luis Borges novo e antigo, num jogo de espelhos que confunde leitor e autor. O Livro de Areia é traduzido por Antonio Sabler.

Nas livrarias a 13 de janeiro.

Este site utiliza cookies para lhe proporcionar uma melhor experiência de navegação. Ao navegar estará a consentir a sua utilização. Saiba mais sobre a nossa política de privacidade. Tomei conhecimento e não desejo visualizar esta informação novamente.

OK