Andrew Solomon: A maçã pode sempre cair muito longe da árvore
19.05.2017
Um ensaio revolucionário sobre a diferença, pais, filhos e a busca da identidade
Andrew Solomon, o autor de O Demónio da Depressão, propõe na sua nova obra uma ideia desafiadora: a de que diferenças profundas entre pais e filhos podem unir em vez de isolar, e gerar identidade em vez de estigmatizar. 

Ao longo de dez anos, o autor entrevistou mais de trezentas famílias e produziu cerca de 40 mil páginas de transcrições. O resultado é uma narrativa avassaladora (e profundamente documentada, teorica e empiricamente) que explora dez categorias de diversidade e compõe um extraordinário mosaico da experiência de criar filhos não ajustados às definições usuais de «normalidade»: os dilemas, os obstáculos e as soluções que cada família encontra nestas situações complexas e, por vezes, extremas. 

Dentro de cada categoria — da surdez ao nanismo, passando pela síndrome de Down, pelo autismo e esquizofrenia, crianças prodígio ou concebidas por violação, trangénero ou que se tornam criminosas — Solomon recorre a muitos ângulos possíveis de abordagem, para concluir que «a maioria das famílias descritas [no livro] acabou agradecida por experiências que teriam feito qualquer coisa para evitar». 

Intrínseca à narrativa está sempre a história do autor e da viagem pessoal de construção da sua própria identidade: o enquadramento inicial é feito na perspetiva do filho e a conclusão, na sua perspetiva do pai. Um exemplo de que, como ele diz, «o amor moderno vem com cada vez mais opções». 

«Um livro que todos deviam ler.» New York Times Book Review 
«Uma afirmação do que é ser humano.»  The Guardian 
«Há muitos livros que nos ajudam a pensar em termos morais. Mas pouco nos fazem sentir questões morais tão intensamente quanto este.» New York Magazine 
«Corajoso, sensível, assombrosamente humano.» Siddhartha Mukherjee 
«Um livro corajoso e belo que expandirá a humanidade de quem o ler.» People