O desejo de uma vida devota e a realidade ímpia
23.06.2017
Naipaul viaja pelos maiores países muçulmanos não-árabes, expondo o conflito entre crença e tradição
Durante cinco meses, o prémio Nobel da Literatura de 2001, V.S. Naipaul, viajou por alguns dos maiores países muçulmanos não-árabes: Indonésia, Irão, Paquistão e Malásia. Este é um guia dessa viagem, pelo território mas, sobretudo, através da complexa relação que os convertidos ao Islão mantêm com as suas tradições indígenas. A viagem, feita em 1995, resultou neste livro, um importante documento, especialmente numa altura em que assistimos cada vez mais a este choque cultural, um dos temas mais importantes e fraturantes no nosso tempo. 

A partir do ponto de vista acutilante de Naipaul, Para Além da Crença é um livro de histórias onde não é feita a apologia contra ou a favor do Islão, embora as posições do escritor sejam bastante claras, ao longo do livro. Com uma grande sensibilidade, expõe os relatos mais íntimos dos entrevistados, conjugando-os e fazendo a análise das sociedades a que estes pertencem. Uma das ideias apresentadas é o de que o Islamismo é um imperialismo, não só em guerra com o capitalismo ocidental mas também, e sobretudo, com as tradições espirituais da região. Um conflito muitas vezes também interno, entre a herança espiritual, a crença religiosa – e a «realidade ímpia». 

Para Além da Crença também pode ser lido como um tratado sobre o fenómeno da globalização: como pessoas nascidas em mundos primitivos e tribais sofrem uma desarticulação espiritual com a chegada da revolução económica. 

Um livro que dá conta de uma grande viagem humana, com uma atualidade e pertinência evidentes. Uma leitura obrigatória para todos os que querem conhecer mais profundamente o campo das culturas islâmicas contemporâneas – pela mão de um dos mais importantes e celebrados escritores de hoje.