Ficha do produto
Assassinos da Lua das Flores
A matança dos índios Osage e o nascimento do FBI
Código: 00707
Última edição: julho de 2017
N.º de páginas: 424
Editor: Quetzal Editores
ISBN: 9789897223549
Em stock - Envio imediato
 

Sobre o livro

Sinopse
Nos anos 1920, a população mais rica per capita não era a parisiense ou a nova-iorquina: era a dos índios osage, no Oklahoma, EUA. Foi descoberta uma imensa jazida de petróleo debaixo da terra que lhes fora designada quando deslocados do seu território original, e os cerca de 2000 osage recebiam uma percentagem dos lucros das companhias petrolíferas. A tribo, cuja riqueza foi largamente reportada em revistas e jornais, desafiava todos os estereótipos relacionados com os americanos nativos: andavam de Cadillac com motorista, construíam mansões, mandavam os seus filhos estudar na Europa.

Então, misteriosamente, os osage começaram a ser assassinados. Alguns, envenenados, outros, mortos a tiro ou espancados. Os osage eram, em simultâneo, a comunidade mais rica e com o maior índice de assassínios do planeta. Muitos dos que tentaram investigar estes crimes encontraram um destino semelhante: foram mortos a tiro, estrangulados, um advogado foi mesmo atirado de um comboio em andamento.

Desesperados, os osage viraram-se então para o Bureau de Investigação (BI) que tinha sido acabado de criar, e o caso dos osage - um dos muitos, mas cheio de ramificações -tornou-se o primeiro grande caso de homicídios do FBI. Porém, o dinheiro do petróleo estava infiltrado no próprio FBI e até na Casa Branca.

Assassinos da Lua das Flores de David Grann

Detalhes do produto


Assassinos da Lua das Flores de David Grann

Ano de edição ou reimpressão: 2017

Editor: Quetzal Editores

Idioma: Português

Dimensões: 147 x 232 x 26 mm

Encadernação: Capa mole

Páginas: 424

Classificação: História Moderna e Contemporânea, Policial e Thriller

 

Outros livros

David Grann é escritor e jornalista, e pertence aos quadros permanentes da revista New Yorker. Foi colaborador do New York Times, do Washington Post, do Wall Street Journal, da revista Atlantic e New (...)