Ficha do produto
Partida de Sofonisba
às seis e doze da manhã
Código: 00350
Última edição: junho de 2012
N.º de páginas: 312
Editor: Quetzal Editores
ISBN: 9789897220296
Em stock - Envio imediato
 

Sobre o livro

Sinopse
Sofonisba, a nobre cartaginesa; Sofonisba, a pintora renascentista; Sofonisba, a historiadora de arte. "Sofonisba. Um nome assim é uma predisposição romanesca", dirá o narrador desta história, o biógrafo de Pedro de Andrade Caminha, que se vê envolvido no caso do desaparecimento de um quadro do século XVII que representa as três graças. E as três misteriosas irmãs, as três graças Aglaia, Euphrosyne e Thalia. Neste romance que cruza os caminhos do presente de uma burguesia culta da Foz do Douro com os de um passado clássico, as coincidências e os encontros de acaso podem ter consequências funestas - ou apenas altamente surpreendentes.

"Le bonheur n’est pas grand tant qu’il est incertain - a felicidade não é tão grande quanto o é incerta - proferiu Sofonisba , enquanto figura trágica de Corneille, uma tirada que serve o tom geral desta cativante incursão ao universo ficcional, e de inesgotável erudição, de Vasco Graça Moura. E enquanto a matrona de Cartago escolhe o veneno à submissão aos soldados de Roma, Sofonisba filha de Andrúbal Parente apanha o comboio de mercadorias às 6 h 12 de uma pardacenta madrugada de Gaia.

Partida de Sofonisba de Vasco Graça Moura

Detalhes do produto


Partida de Sofonisba de Vasco Graça Moura

Ano de edição ou reimpressão: 2012

Editor: Quetzal Editores

Idioma: Português

Dimensões: 148 x 234 x 23 mm

Encadernação: Capa mole

Páginas: 312

Classificação: Romance

 

Outros livros

Bibliografia

2017  Quetzal Editores
2016  Quetzal Editores
2016  Quetzal Editores
2016  Quetzal Editores
2012  Quetzal Editores
2012  Quetzal Editores
2012  Quetzal Editores
Personagem polifacetada da vida cultural portuguesa (Foz do Douro, 3 de Janeiro de 1942 — Lisboa, 27 de Abril 2014). Poeta, romancista, ensaísta, tradutor, foi secretário de Estado de dois Governos provisórios, desempenhou funções directivas na RTP, na Imprensa Nacional e na Comissão para as Comemorações dos Descobrimentos Portugueses. Em 1999, foi eleito deputado ao Parlamento Europeu. Para ele, a poesia "é uma questão de técnica e de melancolia", crescendo d' A Furiosa Paixão pelo Tangível através de uma densa rede metafórica que combina a intertextualidade, relacionada especialmente com Camões, Jorge de Sena, Dante, Shakespeare e Rilke, objectos privilegiados de estudo deste autor, e uma tendência ironicamente discursivista assente na agilidade sintáctica. É autor de três ensaios sobre Camões: Luís de Camões: Alguns Desafios (1980), Camões e (...)